Como ter um hobby ajuda a desestressar

O remédio prescrito para o ‘mal do século’ passa longe de ser amargo: esportes, dança, arte, jardinagem ou uma boa dose de leitura ajudam a proteger corpo e mente
-

Resultado de imagem para imagens pessoa lendo



 brasileiro está entre os povos mais estressados do mundo, segundo pesquisa do Isma Brasil (International Stress Management Association). O estilo de vida agitado transformou o “urgente” em padrão. Em casa, nas empresas, nas filas de trânsito e em quase todos os ambientes da vida moderna, estar sempre ‘com pressa’ se tornou sinônimo de eficiência. Em situações como estas, o nosso corpo acumula mediadores químicos que provocam reações fisiológicas prejudiciais à saúde, caracterizando o estresse.
Combater este mal, que ganha contornos de epidemia, é muito mais do que uma questão de qualidade de vida, mas de saúde, já que está associado a problemas como hipertensão e enfraquecimento do sistema imunológico. Por outro lado, evitá-lo não é uma tarefa difícil – na verdade, é o contrário – e pode começar com o costume, a princípio apenas recreativo, de cultivar um hobby.
Atividades que proporcionem relaxamento e satisfação podem ajudar a abandonar o estado de alerta que se tornou padrão na rotina das pessoas. “Este estado de prontidão leva à produção de adrenalina e outros hormônios que dão energia e vigor à pessoa. Só que tal estado não pode ser mantido indefinidamente, devido às consequências que podem surtir”, explica a psicóloga e diretora do Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS), Marilda Lipp.
Segundo a especialista, o ser humano necessita de momentos de descontração para restabelecer o equilíbrio interno e as funções básicas do organismo. “O hobby permite à pessoa descontrair, esquecer seus problemas mesmo que momentaneamente e recuperar o bom humor”, conta.
Colecionar selos ou moedas, viajar, praticar esportes, dançar e ler são opções frequentes de hobby que podem dar uma desacelerada no ritmo diário e um gás a mais para continuar a rotina. A psicóloga explica que a ideia do hobby em geral envolve uma posição ativa de busca da atividade. Para ela, atividades mais passivas como assistir TV dificilmente seriam consideradas um hobby, mesmo assim podem ser imensamente benéficas para quem se sente estressado e precisa descontrair. “Qualquer atividade que ofereça uma pausa nas preocupações é de grande utilidade como medida antiestresse”.
Muito mais que um passatempo
Na terceira idade, ter um hobby vai muito além de evitar o estresse. Nessa fase, quando as ocupações e atividades profissionais são menores, é fundamental encontrar opções para manter a mente saudável. Evidências científicas mostram que ler, praticar exercícios regularmente, aprender a tocar um instrumento, desenhar e pintar são práticas que podem retardar e proteger a mente contra o mal de Alzheimer, doença que atinge 5% dos idosos. Todas essas atividades, quando feitas regularmente e com intuito de relaxar e descontrair, são consideradas hobbies.
Ao mesmo tempo, o hobby também tem benefícios sociais e psicológicos para o idoso. “Um hobby não só é importante porque ajuda passar o tempo, mas também para que ele socialize, ele vibre com algo, tenha a chance de planejar algo bom no seu dia e se sinta importante naquilo que está fazendo”, esclarece a Dra. Lipp.
Mas não espere passar dos 60 anos para escolher uma atividade que trará benefícios para a saúde do seu corpo e mente. “Para que o idoso tenha um hobby é importante desenvolvê-lo quando ainda é jovem pois, em geral, hobbies requerem bastante tempo para serem realmente valorizados pela pessoa”, orienta a especialista.