Corredor lança livro como inspiração para mudança de atitudes

Obra relata episódio de quase morte por parada cardíaca e nova forma de ver a vida.



Resultado de imagem para foto Corredor lança livro como inspiração para mudança de atitudes



Algumas pessoas acreditam que nada na vida acontece por acaso e o dia 12 de abril de 2015 foi um exemplo disso para o administrador e corredor Cristiano Goldenberg. A experiência de morte súbita interrompida causada durante uma corrida mudou sua vida e um pouco mais de um ano depois ele traz isso em 384 páginas no livro “KM 19: Onde caí e levantei para recomeçar”. 
Descrito com um teor motivacional, o livro foge do estilo biográfico ou de autoajuda e usa o acontecimento de quase morte para destacar o amor e o valor à vida. “O livro é sobretudo o amor. Quero mostrar que ele pode se manifestar de diferentes formas, como no momento em que o Bruno (cardiologista) me socorreu”. Produzido em apenas dois meses, o autor afirma que a obra é uma reflexão sobre a busca da felicidade, tolerância e do amor e será lançado no final de julho, dia 30, na Livraria da Vila.         
No dia 15 de maio de 2016 Cristiano voltou ao mesmo percurso e completou os 21 KM. “Uso minha história como pano de fundo, mas quero que todos pensem em suas vidas. A intenção é transformar as pessoas em agentes de mudança de suas vidas e de seus próximos”. Desde aquela corrida, Cristiano mudou seu olhar, “Temos que relativizar o que acontece conosco. Eu também tenho dias ruins, mas hoje deixo só as coisas boas terem impacto no meu dia”. 
Cristiano já faz parte da história do Instituto Lado a Lado pela Vida. Sua experiência de vida e ideal em fazer as pessoas mudarem suas atitudes foi tema de uma das ações da campanha Siga Seu Coração em 2015. 
12 de abril de 2015
Cristiano Goldenberg iniciou a Meia Maratona Golden Four, no Rio de Janeiro. Acostumado a participar das competições, ele sentia-se bem e não teve nenhum indício que previsse o susto. Na altura do KM 19 Cristiano teve uma parada cardíaca e caiu no meio da pista, já sem vida. O cardiologista Bruno Bussade, que também corria, o atendeu imediatamente. Foram 16 minutos até conseguir reanimá-lo.       

Rodape