Hormonioterapia: é indicada para você?






A hormonioterapia é um método que utiliza a manipulação do sistema endócrino para o tratamento de tumores sensíveis a esse tipo de procedimento. O mais usual é o tratamento do câncer de mama com expressão de receptores hormonais (estrógeno ou progesterona), do câncer de próstata e, mais eventualmente, do carcinoma do endométrio. No câncer de mama, a terapia é antiestrogênica (bloqueio da produção ou utilização de estrógenos), preferível por seus efeitos colaterais serem menos intensos, e pode ser realizada de muitas formas, com diversos medicamentos, que podem ser utilizados isoladamente ou combinados entre si.

No tratamento do câncer de mama, a hormonioterapia bloqueia os efeitos do estrógeno, pois esse hormônio estimula a proliferação do câncer. É indicada como tratamento exclusivo ou complementar em pacientes com neoplasia de mama, que expressem o receptor de estrógeno ou o receptor de progesterona. Esse tipo de abordagem também pode ser usada na redução do risco do aparecimento do câncer, mas essa situação, como não se trata de tratamento, é chamada de "quimioprevenção" (indicada em casos que a mulher apresenta alto risco de desenvolver a doença).

O benefício da hormonioterapia como tratamento auxiliar no pós-operatório é a ampliação das chances de cura com redução da mortalidade e aumento no tempo de recidiva. Na doença metastática, a terapia endócrina prolonga a sobrevida global, a sobrevida livre de doença e controla os sintomas. Os efeitos colaterais costumam ser muito menores com a hormonioterapia do que com a quimioterapia, embora, muitas vezes, os tratamentos sejam utilizados sequencialmente. É importante conversar com seu médico e pedir mais informações sobre essa alternativa e verificar se ela é adequada para você.



Fonte da pesquisa: FEMAMA