Aplicativos melhoram qualidade de vida de deficientes



Aplicativos melhoram qualidade de vida de deficientes 

Instituído em 1982 pelo movimento social, o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência foi oficializado em 14 de julho de 2005, através da Lei Federal nº 11.133, de 14 de julho de 2005. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 14,5% da população apresenta algum tipo de deficiência, equivalendo aaproximadamente 24,5 milhões de pessoas. A data, neste 21 de setembro, é considerada um marco para reflexão e busca de novos caminhos, como forma de debater e divulgar a luta por inclusão social.

A Informática está de mãos dadas com a Medicina nesta empreitada, com o desenvolvimento de aplicativos que ajudam os portadores de necessidades especiais a conviver no dia a dia sem que se sintam à margem da sociedade. Uma trilha ainda relativamente nova, mas que já apresenta resultados significativos na luta para vencer desde as dificuldades mais simples até permitir vitórias emblemáticas que fazem prever um futuro melhor para aqueles que sofrem por estarem impedidos de realizar alguma tarefa. Os aplicativos criados e em desenvolvimento preparam um caminho ainda melhor, a fim de superar dificuldades e proporcionar melhor qualidade de vida para os pacientes.

Aplicativo para tablets e smartphones, o “Que Fala!” permite que as pessoas com deficiência estabeleçam uma comunicação. Ele consiste em uma prancha digital que pode substituir as de papel, utilizadas em hospitais ou clínicas especializadas notratamento de pacientes com problemas na fala. Sua tecnologia baseia-se nos conceitos técnicos e científicos da Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA) e, com o uso do aplicativo, os pacientes conseguem interagir diretamente com seus interlocutores, sem que seja preciso haver a presença de um intermediário. Munido de seu tablet ou smartphone, o paciente poderá se comunicar em qualquer lugar, se estabelecendo como indivíduo na sociedade.

O programa destina-se às pessoas com autismo, paralisia cerebral, escleroses múltiplas, Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), vítimas de Trauma Crânio Encefálico (TCE) e demais doenças que provocam a deficiência na fala. Dentre os profissionais que prescrevem, indicam e editam as pranchas para seus pacientes estão terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, psicólogos, pedagogos e enfermeiros. O “Que Fala!” interessa diretamente também aos pais e familiares dos pacientes, além de entidades e cuidadores, uma vez que promove a inclusão e amplia os horizontes daquele que está enfermo.

O aplicativo de exibição e operação da prancha é totalmente gratuito. Todavia, é preciso que o usuário adquira um dos pacotes disponíveis para a edição e integração de conteúdo personalizado para cada paciente.

Jogo para deficientes visuais


Desenvolvedores brasileiros criaram um aplicativo que permite também aosdeficientes visuais participar ativamente do game “Nebula”. Segundo eles, é o primeiro título do gênero para iPhone. Analistas de jogos consideraram “bastante engenhosa” a fórmula utilizada, uma vez que as batalhas entre as naves são travadas em um cenário carregado de nebulosas. Para os deficientes visuaisa solução é guiar-se pelos sons. Importante destacar que o aplicativo destina-se a todos e tem gráficos considerados muito bem feitos e excelentes efeitos visuais. Contudo, a preocupação central foi elaborar os efeitos sonoros em 3D, com o objetivo de permitir que o deficiente visual tenha uma noção precisa da posição e da distância das naves adversárias.

Outros Aplicativos


Semelhante ao funcionamento de uma bússola, o “Clapp-in” destina-se à orientação espacial dos portadores de necessidades especiais. Ao ser ativado o recurso degeolocalização do celular, o programa permite que sejam encontrados bons lugares acessíveis da cidade, contemplando espaços planejados para a pessoa que possui uma deficiência específica. Ou, por categorias, conforme o interesse, mas sempre pensando na acessibilidade. Disponível somente para Android.

 Já o “eSSENTIAL Accessibility” tem como meta específica possibilitar a navegação na Internet. Ao disponibilizar seis substitutos do mouse, inclusive visual, e leitura de texto em português, inglês, italiano, espanhol e francês, o aplicativo é uma solução e tanto para aqueles que estavam marginalizados e impedidos de usufruir das infinitas possibilidades oferecidas pela rede mundial de computadores, quebrando a exclusão e expandindo fronteiras.

 “ProDeaf Tradutor para Libras” é uma indicação direta para aqueles que necessitam se comunicar com portadores de deficiência auditiva. De uma forma considerada bastante eficaz, o aplicativo traduz as palavras para a linguagem dos sinais, mesmo se a palavra em questão não constar no vocabulário. Neste caso, ele soletra o termo para que a pessoa possa, então, expressar o que deseja. O aplicativo está disponível paraAndroidiPhone e Windows Phone.

Por fim, “Hércules e Jiló” é um programa educativo e grátis que tem como motivação o mistério das Ciências Naturais, possibilitando um aprendizado mais aprofundado da relação entre os seres vivos, as diferenças entre ambientes construídos, os ambientes naturais e outros temas relevantes. Os jogos são interativos, porém, existem alguns que precisam ser impressos. Entretanto, todos contribuem sobremaneira para que exista um estreitamento de laços com a natureza e destinam-se para os portadores de um déficit cognitivo moderado.

Conheça outros aplicativos iOS e Android para portadores de necessidades especiais.
Fonte: Pro.Doctor