Composto do gengibre é aprovado em testes na UFSCar contra o câncer de mama

Resultado de imagem para foto gengibre

Uma pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) mostrou que substâncias isoladas do gengibre, como o composto [10]-gingerol, são capazes de inibir o crescimento de tumor primário de mama e evitar metástases para ossos, pulmão e cérebro. A molécula age induzindo a morte celular programada, uma ação que se espera de agentes antitumorais.
A substância tem potencial para ser usada isoladamente no tratamento do câncer ou em conjunto com a quimioterapia, reduzindo os efeitos colaterais, uma vez que não agride células saudáveis. Os testes mostraram efeitos positivos contra neoplasias mamárias e deverão ser aplicados em tumores de próstata, pulmão e colo de útero.
O componente possibilita que não ocorra a inflamação nos tecidos, efeito que se espera de um medicamento antitumoral.  O estudo foi realizado em parceria com o Departamento de Química da UFSCar, que forneceu amostra de compostos de origem natural extraídos de plantas, como a catuaba, a laranja, além do gengibre.
O estudo foi estimulado por pesquisas populacionais que mostraram risco menor de câncer em países asiáticos em comparação com países ocidentais. Na Ásia, a dieta é rica em alimentos como o gengibre, soja, cebola, tomate, pimentas e chá verde.
Os testes pré-clínicos foram realizados em cultura de células retiradas de tumores de pacientes e em camundongos, em 2010. Ainda são necessários mais estudos para a compreensão de todos os mecanismos de ação das moléculas em teste.







Rodape