Cientistas do Reino Unido encontraram forma de retardar crescimento de tumor











Mulheres que acompanham novidades relacionadas aos avanços das pesquisas para tratamento de câncer de mama têm um motivo para comemorar. Um grupo de cientistas do Cancer Research UK, no Reino Unido, encontrou uma nova forma para retardar o crescimento do tipo mais agressivo de câncer de mama. A pesquisa foi publicada no dia 13 de junho na revista "Oncogene".

Tratamento de câncer de mama: novas descobertas

A equipe de pesquisadores descobriu que o composto chamado JQ1 pode alterar como as células cancerígenas respondem à hipóxia, ou falta de oxigênio, um quadro presente em mais de 50% dos tumores em todo o mundo, de acordo com divulgação feita pelo Cancer Research UK.

A hipóxia é mais comum no câncer de mama do tipo triplo negativo, o tipo da doença que é mais difícil de se tratar.

O JQ1 atua impedindo a adaptação das células cancerígenas à falta de oxigênio. O estudo apontou que o composto retardou o crescimento de tumores e limitou o número de vasos sanguíneos que foram produzidos.

Privação de oxigênio pode dificultar tratamento

Quando uma paciente de câncer de mama é privada de oxigênio, pode ser muito mais difícil de fazer o tratamento com sucesso, diz a divulgação do Cancer Research UK.

Isso porque a forma como as células cancerígenas se adaptam à baixa de oxigênio muda sua biologia e as torna resistentes às terapias convencionais. Quando há baixos níveis de oxigênio, as células com tumores ativam genes específicos que enviam sinais a novos vasos sanguíneos para fornecer a eles oxigênio fresco, dando ao câncer os nutrientes de que necessita para crescer e se espalhar, explica o Cancer Research UK.

Chave para tratar tumores agressivos

O médico e pesquisador da Universidade de Nottingham, Alan McIntyre, co-autor do estudo, afirma, no relatório, que o "câncer de mama do tipo triplo negativo é um desafio. Ao combater a hipóxia, que tantas vezes compromete o tratamento do câncer da mama, o JQ1 pode ser uma chave importante para ajudar as mulheres com tumores de mama agressivos."
Nell Barrie, gerente de comunicação da Cancer Research UK, ressaltou que o estudo revelou insights sobre como essas drogas poderiam ser usadas para ajudar a tratar pacientes com câncer de mama do tipo triplo negativo, que urgentemente precisam de melhores tratamentos.


Com informações de Jornal dia