AOS 70 ANOS, IDOSA COM CÂNCER REALIZA SONHO DE VOAR DE ASA DELTA

Há um ano e meio, Norma Rico, de 70 anos, trata um câncer de pulmão. A uruguaia, que mora em Porto Alegre com o marido desde a década de 1960, sabe que não há mais procedimentos que possam impedir o avanço da doença, o que não parece ser um problema. A aposentada valoriza cada minuto de sua vida, e aproveita para buscar os sonhos que têm. Um deles, voar de asa-delta, já entrou para a lista dos realizados.
“Quem tem a doença é o meu pulmão. Eu estou ótima, linda e maravilhosa!”, diz, bem-humorada, ao receber a reportagem em sua casa, em Porto Alegre, no último sábado (18).
Foi durante tratamento no programa de Cuidados Paliativos da Santa Casa, que ajuda pacientes e familiares a lidar com doenças terminais, que Norma comentou sobre seu desejo de voar de asa-delta.
A equipe médica logo se mobilizou para concretizar o sonho, com apoio de familiares. Casado com Norma há 50 anos, seu Ramon, duas filhas e netos ajudaram nos preparativos.
É com essa premissa que a equipe de Cuidados Paliativos trabalha. Além de tentar amenizar a dor física, eles recomendam que os pacientes se livrem das pendências emocionais, daquilo que ainda não foi resolvido. Ouvem desejos, desde os mais simples aos mais inusitados, como o de dona Norma.
“Apesar de todos nós sabermos que nascemos e que um dia iremos morrer, hoje não falamos livremente sobre a morte, então é um grande tabu”, diz a enfermeira Karyne Reis.
Os detalhes foram ajustados para a chegada do grande dia de dona Norma. Feliz que iria realizar o sonho de voar de asa-delta, ela se agasalhou – fazia frio em Porto Alegre -, colocou um batom, entrou no carro da família e partiu para Sapiranga. Na cidade do Vale do Sinos, distante cerca de 60 quilômetros da capital, o Morro Ferrabrás é o lugar ideal para a prática.
Além dos familiares, o médico que cuida de dona Norma também compareceu para acompanhar a aventura da paciente. Após o abraço do doutor Rodrigo Castilho, das palavras de apoio do marido Ramon e de filhos e netos, os equipamentos foram ajustados pelo instrutor. Antes do salto, ele avisava que a sensação seria indescritível.
O salto foi tranquilo. Dona Norma voou alto. Mais uma aventura enfrentada por ela. “Espetacular”, resumiu ela após a aterrissagem. Pronta para realizar o próximo desejo: andar de moto.
norma 2
Fonte: G1