10 Plantas comestíveis para incluir no cardápio

Apesar de serem chamadas por muitos de “daninhas” ou “inços” por crescerem entre plantas cultivadas,  o termo adequado é plantas/ervas espontâneas – e as PANCs têm grande importância ecológica e econômica. O mesmo é válido para plantas silvestres, as quais são genericamente chamadas de “mato” ou planta do mato, que têm grande potencial de uso imediato ou futuro a partir de programas de melhoramento, seleção e manejo adequado.
Muitas destas espécies, por exemplo, são alimentícias mesmo que não sejam atualmente consumidas pela maior parte da população. Calcula-se que, por ano, desperdiça-se entre 1 a 2 toneladas por hectare de plantas alimentícias não convencionais. Muitas são hortaliças com elevadas propriedades nutricionais para a espécie humana, sendo jogadas fora ou secando com os herbicidas tóxicos.
Hoje trago para vocês 10 PANCs que fazem super bem à saúde – e que você pode incluir em seu cardápio!
1. ORA-PRO-NÓBIS

Trepadeira com folhas suculentas na forma de ponta de lança. Apresenta espinhos que lembram acúleos nos ramos verdes (lembrando uma roseira) que mais tarde modificam-se e ganham a forma de espinhos no caule. As flores são brancas e seus frutos são muito saborosos, a aparência lembra um butiá. Suas folhas possuem cerca de 25% de proteína, das quais 85% são digestíveis. Isto é um alto valor se comparado a outros vegetais – como o espinafre, que tem um teor de 2,2% de proteínas.

2. CAPUCHINHA 

Apesar de ser mais utilizada para fins ornamentais, suas flores, folhas, frutos, sementes são comestíveis. Rica em ancitocinas, carotenóides e flavonóides, possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. As folhas jovens tem aroma bem picante, lembrando o sabor do agrião e da rúcula. Devem ser consumidas cruas, assim como também as flores. Assementes podem ser torradas e moídas e utilizadas para substituir a pimenta.

3. AZEDINHA 
Sim, o famoso trevo!
Suas flores e folhas são comestíveis – tanto cruas, como cozidas. Suas flores são consumidas em saladas, em geleias ou podem ser adicionadas ao suco verde, podendo também ser usadas também como corante natural. As folhas e brotos também podem tanto ser utilizados para fazer geleias (dando o contraste azedinho) quanto para serem consumidos crus, como saladas. Uma descoberta recente aponta que a Azedinha tem 100 vezes mais resveratrol do que a uva – composto antioxidante poderosíssimo. 

4. JUÇARA

Também conhecida como Açaí-da-Mata-Atlântica, a Juçara é rica em ferro, potássio eantocianina, pigmento que ajuda a combater os radicais livres e proteger o corpo detumores, infecções e doenças vasculares. É a mesma substância, por exemplo, que dá cor e saúde ao vinho tinto, só que numa concentração dezenas de vezes maior.
5. ARAÇÁ

O Araçá apresenta grande potencial para exploração econômica, por ser uma fruta nativa de alta produtividade com baixo custo de implantação e manutenção, sem a necessidade de utilização de agrotóxicos. É apresentado como uma alternativa dentro da agricultura familiar, e como ótima opção para o cultivo orgânico. Por possuir vitamina C e ácido ascórbico, o suco de Araçá tem um potencial antioxidante, retardando o envelhecimento das células, pois combate os radicais livres. O ácido ascórbico também é muito utilizado na indústria da beleza para retardar o envelhecimento.

6. CARURU

Suas folhas e sementes são comestíveis – principalmente as folhas refogadas. É rico em vitaminas A, B1, B2, B3, B6 C e E, além de cálcio, cobre, magnésio, manganês e potássio. É também uma boa fonte de fibra dietética e antioxidante.

7. SERRALHA

Trepadeira com folhas e caules verdes, carnosos e suculentos, tem aparência similar à do espinafre. É rica em vitamina A, além de oferecer outros nutrientes como vitamina C, cálcio e ferro. As folhas e os ramos novos devem ser consumidos logo após a colheita, refogados ou em substituição ao espinafre e à couve, ou em omeletes, quiches e tortas. Crua, pode ser ingerida junto a saladas verdes. Se preferir prepará-la em uma sopa, deixe para acrescentá-la por último, pois a bertalha não deve ser cozida em excesso.
8. HIBISCO

Além de espalhar sua cor vermelha em receitas, o Hibisco tem um sabor azedinho muito bom. É possível utilizá-lo em chás, sucos verdes, saladas, geleias. Seus benefícios são inúmeros, alguns estudos apontam que alguns de seus flavonoides tem efeito cardioprotetor e vasodilatador, ajudando a aumentar o colesterol bom e diminuir o colesterol ruim, triglicerídeos e pressão arterial.
9. DENTE-DE-LEÃO


Essa planta cresce naturalmente em várias regiões do Brasil e do mundo. Há muitos motivos para incluí-la na dieta: o dente-de-leão selvagem tem sete vezes mais fitonutrientes do que o espinafre, além de ser grande fonte de vitaminas A e C. Suas folhas podem dar origem apratos refogados e cozidos, além de saladas – mas o consumo também pode se estender às flores. Algumas pessoas utilizam as raízes torradas e moídas como um substituto ao café.
10. BELDROEGA

De crescimento espontâneo em muitas partes do mundo, adapta-se a diversos tipos de clima, mas requer que o sol incida diretamente sobre ela. Suas folhas e ramos podem ser consumidos crus, em saladas. Quando cozidos, servem de ingrediente para pratos refogados e assados, além de sopas. Suas sementes também podem ser ingeridas – a sugestão é acrescentá-las a uma farinha de cereal depois de moídas. É rica em ácidos graxos ômega-3 e seu sabor tende a variar de acordo com a forma de cultivo.

Mas atenção: não é pra sair arrancando qualquer plantinha do chão para comer – isso pode ser perigoso!

Afinal, onde encontrar PANCs? Bem, encontrá-las você encontra em muitos lugares – nos parques, canteiros, calçadas… Porém, antes de consumir qualquer planta é preciso ter certeza que ela é de fato alimentícia! Informe-se detalhadamente sobre as PANCs e não consuma plantas, raízes e frutos desconhecidos, que podem ser tóxicos e causar graves problemas de saúde. Feirantes e agricultores orgânicos também podem ajudar você a conseguir PANCs.

Abraços e até semana que vem, 
 AvatarFonte:Blog Além do Cabelo