MEU CÂNCER NÃO É IGUAL O SEU


Entenda a oncologia de precisão, uma forma de tratamento médico personalizada que leva em consideração as características genéticas de cada tipo de tumor.
A medicina personalizada pode ser utilizada para entender a composição genética de uma pessoa e compreender a biologia do tumor. Com base nessas informações, os médicos esperam identificar estratégias de prevenção, rastreamento e tratamento que possam ser mais eficazes e com menos efeitos colaterais do que seria esperado num tratamentos convencional. Por meio da realização de testes e análises genéticos, os médicos podem personalizar o tratamento de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.
Criar um esquema de rastreamento e de tratamento personalizado inclui:
  • Determinar as chances de uma pessoa desenvolver câncer e selecionar estratégias de rastreamento para reduzir o risco.
  • Correlacionar os pacientes cujos tratamentos são mais propensos a serem eficazes, causando menos efeitos colaterais.
  • Prever o risco de recidiva.
Diferença da Oncologia de Precisão
Antes da oncologia de precisão, a maioria dos pacientes com um tipo específico de câncer e estadiamento recebiam o mesmo tratamento. No entanto, os médicos observaram que alguns pacientes respondiam bem a alguns tratamentos, enquanto outros não tão bem. Com o crescimento do conhecimento genético, os pesquisadores descobriram que as diferenças genéticas nos pessoas e seus tumores explicavam muito dessas diferentes respostas ao tratamento. Embora um paciente com câncer possa receber um esquema de tratamento convencional, como a cirurgia para a retirada do tumor, o médico também pode recomendar algum tipo de tratamento personalizado. Os tratamentos individuais para o câncer podem ser oferecidos como parte ativa do tratamento ou como parte de um estudo clínico.
Exemplos de Oncologia de Precisão
Alguns exemplos de estratégias de oncologia de precisão incluem:
  • Terapia Alvo – A terapia alvo visa genes, proteínas ou tecidos cancerosos específicos que contribuem para o crescimento do câncer. Para alguns tipos de câncer, como câncer de mama, câncer colorretal, tumor estromal gastrointestinal (GIST), câncer de rim, câncer de pulmão, melanoma, mieloma múltiplo, alguns tipos de leucemia e linfoma, e alguns tipos de cânceres infantis já existem medicamentos alvo disponíveis. Mas, certamente, a terapia alvo depende de descobrir se o tumor tem o alvo específico. Isto é geralmente verificado testando uma amostra do tumor obtida através de uma biópsia ou durante a cirurgia.
  • Farmacogenômica – Ao invés de testar o tumor para um gene ou proteína específica, a farmacogenômica analisa a forma como os genes de uma pessoa afetam a maneira como o corpo processa e responde aos medicamentos. Essas diferenças influenciam a eficácia e a segurança da droga para cada pessoa. Por exemplo, algumas pessoas podem processar um medicamento mais rapidamente do que outras, de modo que essas pessoas possam necessitar de doses mais elevada de um determinado medicamento, para obter a mesma eficácia do que em outros pacientes. Entretanto, se o organismo de uma pessoa não processa suficientemente rápido, o medicamento permanecerá na corrente sanguínea durante um tempo maior, podendo causar efeitos colaterais mais severos.
Fonte: Oncoguia