ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É ALIADA CONTRA CÂNCER

Não dá para modificar fatores de risco relacionados ao câncer de próstata, como idade avançada e história da doença na família, mas há atitudes que podem ser adotadas para diminuir as chances do aparecimento da doença, como de qualquer tipo de tumor. Muitos itens da alimentação, segundo atesta o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), têm sido associados com o processo de desenvolvimento de vários tipos de cânceres. Um cardápio que valoriza de forma excessiva gordura animal, carne vermelha e embutidos pode estar relacionado ao aumento no risco de desenvolver câncer de próstata.
Por outro lado, já se sabe que uma alimentação saudável pode ser capaz de conferir algum efeito protetor contra o tumor. E quando se fala em câncer de próstata, a principal dúvida em relação à dieta vem do consumo do tomate, apontado por alguns estudos como um alimento que oferece proteção contra a doença. “A questão é que não há trabalhos com boa evidência científica que certifique o tomate como um produto que pode diminuir a incidência de câncer de próstata”, diz o urologista Leonardo Lima Monteiro, do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP).
De qualquer forma, ele ressalta que as pessoas que seguem um estilo de vida saudável, incluindo um cardápio equilibrado e a prática de atividade física, podem ter reduzido o risco de desenvolver qualquer tipo de câncer, entre eles o de próstata. A adoção de uma alimentação saudável também contribui para a prevenção do excesso de peso, que desponta como mais um fator associado ao desenvolvimento de tumores. “Atualmente, um dos maiores fatores de risco para câncer em geral, inclusive o de próstata, é a obesidade. Essa relação é feita porque uma pessoa com sobrepeso está em um contínuo processo inflamatório, condição que eleva o nível de radicais livres no organismo, capazes de alterar o DNA das células saudáveis e, dessa maneira, levar à origem de células tumorais”, explica o médico nutrólogo Homero Rabelo.
O especialista acrescenta que várias pesquisas têm mostrado a ação anti-inflamatória da vitamina D. “Dessa maneira, níveis inadequados dessa substância também podem estar relacionados a alguns tipos de câncer, especialmente mama, cólon e próstata”, frisa Homero. O nutrólogo complementa que o licopeno presente no tomate maduro vem sendo estudado há alguns anos como um nutriente que pode ser capaz de reduzir o risco de desenvolvimento de tumores na próstata. “Um estudo publicado em setembro deste ano e que envolveu quase 600 mil homens, mostrou que o consumo de um miligrama de licopeno pode reduzir em 3% o risco de câncer de próstata. Um tomate grande tem aproximadamente três miligramas de licopeno. Por esse ponto de vista, a ingestão de uma unidade ao dia dessa fruta poderia reduzir em quase 10% a chance de desenvolvimento da doença”, diz Homero. Ele ainda faz um alerta: quando as pessoas adotam um estilo de vida saudável, passam a ter a oportunidade de reduzir o risco de várias doenças crônicas, incluindo o câncer.
Fonte: Uol